O que ver em Marrocos

O que ver em Marrocos.

MESQUITA DE CUTUBIA: É a maior mesquita e um dos monumentos mais representativos da cidade de Marrakech.

O nome deriva do árabe al-Koutoubiyyin, que significa bibliotecário, pois a mesquita costumava estar rodeada por vendedores de manuscritos. A torre tem 69 metros de altura e uma largura de 12,8 metros. O seu interior é constituído por seis salas, uma por cima da outra, atravessadas por uma rampa que permitia o almuadem chegar à varanda da torre. Foi construída no estilo tradicional almóada e a torre é adornada com quatro globos de cobre.

Situada a sudoeste da praça Jamaa el Fna ao lado da avenida Mohamed V, a Cutubia destaca-se pelo seu minarete de 69 m de altura, o edifício mais alto da cidade. O nome Cutubia, que literalmente quer dizer a dos livreiros (kutub em árabe é “livro”) faz referência à presença do soco de vendedores de livros que se desenvolvia nas suas cercanias, com mais de cem postos.

Cutubia Marrakech

MESQUITA HASSAN II CASABLANCA:  É uma grande mesquita da cidade de Casablanca no Boulevard Sidi Mohammed Ben Abdallah (direcção Aïn Diab) e é o mais alto templo do mundo (os lasers emitidos do minarete de 200 m de altura podem ser vistos de vários quilómetros), e o segundo maior (depois da mesquita de Meca. Conta com as últimas tecnologias como resistência sísmica, tecto que se abre automaticamente, soalho aquecido e portas eléctricas. É das poucas mesquitas do mundo muçulmano que permite a visita a turistas não muçulmanos.

Mesquita de Hassan ll

MEDINA DE FEZ:  Sem dúvida, um dos destinos mais importantes do Marrocos. Seu mistério, exotismo e charme fazem da medina antiga de Fez (Fez el Bali) um dos lugares mais irreais do mundo. Sendo uma cidade sagrada para o Islã, tem numerosas madrasas (escolas religiosas) famosas no mundo árabe. Além de grandes palácios, caravanas, mesquitas e outros locais de interesse, Fez é a cidade medieval mais bem preservada do mundo muçulmano. Explorar a cidade com um guia é recomendado para poder aproveitar melhor o que você tem que visitar, sem se perder e se preocupar.

Medina de Fez

MADRASA BOU INANIA:é uma madrasa fundada em AD 1351-6 por Abu Inan Faris, que também fundou a Madrasa Bou Inania em Meknes. É amplamente reconhecido como uma maravilha da arquitetura Marinid. “Bou Inania” vem da primeira parte do nome do sultão “Abou Inan”. A madrasa funcionava como um instituto educacional e como uma mesquita congregacional ao mesmo tempo. É a única madrasa em Fes que tem um minarete. Em frente à entrada principal da madrasa é a entrada do dar al-wudu (casa das abluções). A esquerda e a direita do tribunal central são salas de aula.

De acordo com a história, os líderes religiosos da Mesquita Karaouine aconselharam Abu Inan Faris a construir esta Madrasa. Foi a última madrasa a ser construída pelos marinídeos. A madrasa tornou-se um dos mais importantes lugares religiosos de Fes e Marrocos, ganhando o status de Grande Mesquita.

A madrasa foi renovada no século 18. Durante o reinado de Sultan Mulay Sliman foram reconstruídas as seções inteiras. No século 20, foram realizados grandes trabalhos de restauração para a estrutura de carga, o gesso, a madeira e a decoração.

A madrasa é um dos poucos lugares religiosos em Marrocos que é acessível a turistas não-islâmicos. Em frente à Madrasa Bou Inania é o Dar al-Magana com uma parede que abriga um relógio hidráulico que foi construído junto com a madrasa.

Madrasa Bou Inania

TÙMULOS DE SAADI: é a designação de um mausoléu coletivo em Marrakech onde estão sepultados cerca de 60 membros da dinastia saadiana, que reinou em Marrocos nos séculos XVI e XVII. O edifício foi construído durante o reinado de Ahmed al-Mansur (1578–1603). Devido à sua beleza, nomeadamente das decorações, são uma das principais atrações turísticas de Marrakech e são descritos como “joias arquitetónicas” na ficha do sítio “Almedina de Marrakech” na lista do Património Mundial da UNESCO.

O mausoléu foi descoberto em 1917 e foi restaurado pelo serviço de Belas-Artes. Entre os túmulos encontram-se os de Ahmed al-Mansur e da sua família. O edifício tem três divisões, a mais prestigiosa delas com doze colunas, onde está sepultado o seu fundador, cuja estela é finamente decorada com madeira de cedro esculpida e estuque. Os túmulos foram feitos com mármore italiano de Carrara. No exterior há um jardim e um pequeno cemitério onde estão sepultados soldados e servos da família real.

Túmulos de Saadi

PLAZA JAMAA EL FNA:  No coração da medina de Marrakech, Jemaa el Fna é um mundo à parte. Ao pôr-do-sol, o quadrado se torna um dos lugares mais impressionantes do mundo, onde milhares de pessoas observam e contemplam inúmeras performances de rua, encantadores de serpentes, acrobatas, dançarinas, músicos, boxeadores, contadores de histórias, macacos e lagartos, arrancando. Sendo um ponto turístico durante muitos séculos, Marrakech foi uma parada obrigatória para viajantes das Caravanas Timbuktu (Mali).

Praça Jamaa El Fna

MERCADOS EM MARRAKECH: Dentro da muralha da medina a vida segue, rotineira, cotidiana, sem pressa mas movimentada, em ruas estreitas, sinuosas e becos sem saída, uma aparentemente desordenada planta que no entanto só é labiríntica para os turistas. A mesma vida que segue o padrão secular nas casas, lojas e oficinas minúsculas mas onde sempre sobra espaço para um copo de chá de menta. Artesãos formam desenhos curvilíneos no ferro, batem chapas, cortam metais e moldam bronze em sons que saem dos cubículos e ecoam nas vielas.

Zocos de Marrakech

MEDINA DE CHEFCHAOUEN: é uma das mais bonitas de Marrocos. Pequeno e sem aglomeração, é fácil de explorar, com caminhos sinuosos suficientes para mantê-lo desviado, mas compacto o suficiente para que você nunca se perca demais. A maioria dos edifícios são pintados de azul-azul cegante, dando-lhes um olhar limpo e fresco, enquanto as telhas de terracota adicionam um sabor andaluz.

O coração da medina é a Praça Uta el-Hammam , sombria e cobbled . A praça é dominada pelas paredes de cor vermelha da kasbah e pela grande mesquita adjacente . A kasbah contém um encantador jardim, um museu etnográfico e uma galeria de arte.

Medina de Chefchaouen

KASBAH DE OUDAIAS RABAT: Um dos lugares mais interessantes para conhecer em Rabat é o Kasbah des Oudaïas, uma fortaleza que data do período almorávida (séculos XI e XII). Os almorávidas eram originalmente monges soldados provenientes de grupos nômades do Saara.
Pode-se entrar no Kasbah pelo imponente portão Bab Oudaïa. Esse portão, assim como muitos dos grandes monumentos do Marrocos, é de fundação almóada, a dinastia que sucedeu aos almorávidas no século XII. O portão foi construído por volta de 1195, por Yacoub el Mansour na parede já construída por seu avô Abd el Moumen.

Bab Oudaïa se localiza na Rua Jamaa. O portão foi construído em cantaria (pedra talhada) e magnificamente esculpido em ambos os lados. O portão em si não impressiona tanto por seu tamanho, já que essa é uma característica da arquitetura almoáda, mas sim pela força visual e simplicidade da sua decoração.

A forma do portão é baseada na característica básica da arte islâmica, ou seja, o arco em forma de ferradura, que, nesse caso é seguido por 2 outros arcos decorados com o padrão geométrico darj w ktarf, que significa literalmente um desenho de rosto e ombros, lembrando vagamente uma flor-de-lis.

O Kasbah des Oudaïas é um lugar pitoresco, com casas e ruas em um padrão diferente daquelas encontradas nos outros bairros de Rabat. Estando no Kasbah já se nota a diferença. São várias ruelas cheias de casas brancas e azuis, o que acabou originando a cor característica de Rabat (no Marrocos, cada cidade possui uma cor característica).

peixe é o que você pode esperar da cidade portuária de Essaouira. Lugar para visitar, você pode visitar com respeito e explorar a área sem interferir na vida dos pescadores.

Kasbah de Oudaias

PALÁCIO BAHIA MARRAKECH: Com 8000 m² o palácio Bahia foi a mais rica residência de Marrakech no ano de sua construção. O palácio cujo nome significa Palácio da Bela ou Palácio Brilhante foi construído entre 1859 e 1873 pelo camareiro do sultão Si Moussa e foi ampliado pelo arquiteto marroquino El Mekki em 1894.Com 160 Quartos e vários pátios decorados com zellige (ladrilhos), fontes e/ou Jardins com arvores frutíferas, o palácio foi construído em estilo árabe-andaluz e impressiona principalmente nos cômodos destinados as 4 esposas do Vizir e a os Riads destinados a recepção de visitas.

O Vizir Ahmed ben Moussa era conhecido por sua crueldade. Influente e temido, quando ele morreu em 1900, seu palácio foi fechado por seus guardas e ninguém estava autorizado a entrar ou sair do palácio. Quando as portas do palácio foram reabertas todas as pedras preciosas, joias, vasos, objetos de valor e documentos foram roubados pelos escravos do vizir que de alguma maneira conseguiram fugir do cerco imposto pelos guardas.

Aqui era o harém do Vizir que alem da suas 4 esposas, possuía 24 comcubinas e por isso o palácio foi chamado de palácio brilhante.

Palácio Bahia Marrakech

TOUBKAL:  o pico Toubkal, 4167 metros de altura, é a montanha mais alta do norte da África. A cordilheira das áreas Atlas tem uma das paisagens mais bonitas do país. Para os mais valentes e fora da aldeia de Imlil, você pode subir ao topo desta montanha em menos de 4 dias.

Monte Toubkal

KASBAH DE TAOURIRT OUARZAZATE: A kasbah de Taourirt é o edifício histórico mais importante em Ouarzazate. Em 1754, Amghar (comandante em berber) Hammad, um dos homens mais ricos em seu tempo construiu o palácio perto do rio de Ouarzazate.
A kasbah tem duas portas principais, a porta do norte “eman nanran in berber”, que é a entrada principal de hoje que leva à praça do rei, um espaço muito conhecido que hospeda os concertos de AHOACH (tipo de berber música). A porta do sudeste, conhecida como “emi nandaf” ou a porta dos guardas muito conhecida da sua torre, que é relativamente alta.
Ao longo da história, a kasbah desempenhou um importante papel militar e comercial devido à sua localização estratégica ao lado do Vale, e hoje a kasbah é um importante destino turístico onde atividades culturais como shows, eventos especiais e seminários são realizados.
A kasbah é classificada como Patrimônio Histórico pela UNESCO.

Kasbah de Tourirt

TORRE DE HASSAN II EM RABAT: Também conhecida como Tour Hassan, é um minarete de uma mequita que foi deixada incompleta em Rabat, a capital do Marrocos. Este lugar é um dos símbolos mais representativos desta cidade, tanto por sua altura quanto o que representa, porque era suposto ser a maior torre deste tipo de templo no mundo, embora tenha um tamanho considerável.A construção deste monumento começou no ano de 1195 com o objetivo de ser o maior minarete do mundo que pertencesse a uma mesquita com as mesmas características. No ano de 1199, o sultão Yacoub al-Mansour morreu e a construção de todo este lugar parou, deixando apenas a torre e alguns muros do templo que já havia sido colocado, mas que caíram ao longo do tempo. Esta torre tem 44 metros de altura.

 

Torre de Hassan ll

MADRASA ATTARINE FES:  Um tesouro da arquitetura Merínida, localizado no centro da antiga medina de Fez, a madrasa (escola islâmica) de Attarine surpreende pela arquitetura do século XIV e por sua decoração exuberante com revestimentos cerâmicos, esculpidos em madeira e tetos de uma beleza incomparável. Todo esse edifício é impressionante, com uma decoração que é um dos melhores e mais belos exemplos deste tipo de centros em Marrocos.

Madrasa Attarine

MEDINA DE MEKNES: Ou “Cidade Velha”, abriga uma mesquita do século 12 chamada a Grande Mesquita. Ele fica no centro da Medina. O Dar Jamai também está na Medina. Originalmente era o lar da família Jamai. Em 1920, foi transformado em Museu de Arte Marroquina. O museu ainda possui o mesmo design interior que a casa originalmente. A maior parte da arte é de toda a região de Marrocos e há um quarto decorado como teria sido no século XIX. O museu está localizado na Praça El Hedem.

Medina de Meknes

 
BAB MANSOUR EM MEKNES: Com o nome do arquiteto, El-Mansour. Foi completado 5 anos após a morte de Moulay Ismail, em 1732. O design do portão reproduz com os padrões Almohad. Possui mosaicos zellij de excelente qualidade. As colunas de mármore foram retiradas das ruínas romanas de Volubilis. Quando a estrutura foi completada, Moulay Ismail inspecionou o portão, perguntando a El-Mansur se ele pudesse fazer melhor. El-Mansur sentiu-se satisfeito em responder sim, fazendo o sultão tão furioso que ele o executou. Ainda assim, de acordo com os registros históricos, o portão foi concluído após a morte de Moulay Ismail. O próprio portão agora é usado como uma galeria de artesanato; A entrada é feita por uma porta lateral. Este é o portão principal entre a Medina e a Cidade Imperial de Meknes. É projetado com padrões Almohad e algumas das colunas Volubilis foram separadas para construir a parede.

Bab Mansour

VOLUBILLIS MEKNES: foi uma cidade romana, cujas ruínas constituem atualmente um sítio arqueológico parcialmente escavado situado no norte de Marrocos, nos arredores da cidade santa de Moulay Idriss, a norte de Meknes. As ruínas estão inscritas na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO desde 1997.A antiga cidade situa-se numa fértil planície agrícola e desenvolveu-se a partir do século III a.C. como um assentamento fenício-cartaginês, tendo crescido rapidamente sob o domínio romano a partir do século I a.C. até ocupar uma área de aproximadamente 40 hectares, rodeada por muralhas com 2,6 km de perímetro. No século II a cidade foi dotada de uma série de edifícios públicos, nomeadamente uma basílica, um templo e um arco do triunfo. A sua prosperidade, que advinha principalmente das culturas da oliveira, cereais e do fornecimento de animais selvagens para os espetáculos de gladiadores, propiciou a construção de muitas casas urbanas ricas, com grandes mosaicos de chão.

Volubillis

JARDIN MAJORELLE: Criados em 1924 pelo artista francês Jacques Majorelle, inicialmente foi a residência privada do artista, que começou a instalar ao redor de sua casa um jardim de vegetação exuberante. Os jardins foram abertos ao público em 1947, e a casa foi transformada em um museu. Durante anos, ali viveu o estilista Yves Saint Laurent e, de fato, é onde repousam suas cinzas. Hoje, o jardim possui espécies dos cinco continentes e mais de quinze espécies de pássaros. Recomendamos visitar o local bem cedo.

Jardim de Majorelle

DUNAS DE ERG CHEBBI: A paisagem de Erg Chebbi é algo único no mundo. Existem vários oásis em meio das  dunas, onde você pode passar a noite em barracas berberes. Você ainda pode fazer passeios de camelo para admirar o pôr do sol. Em torno das dunas existem várias aldeias onde famílias nômades se estabeleceram nas últimas décadas. Um dos lugares mais bonitos de Marrocos.

Dunas de Erg Chebbi

GARGANTAS DE TODRA: As estradas rochosas deste belo vale são impressionantes,  algo único que nos faz pensar que estamos viajando em outro planeta como Marte, por exemplo. Depois das Montanhas Rochosas que alimenta um oásis de vegetação, com numerosas e pequenas aldeias com arquitetura adoble e kasbahs são de extraordinária beleza.

Gargantas de Todra

 
COVAS DE HÉRCULES : localizado a 14 km a sul da cidade de Tânger, este site foi habitado desde os tempos pré-históricos. A abertura da rocha com vista para o mar foi feita pela erosão da água, mas surpreendentemente tem a forma do continente africano.

Covas de Hércules

 
MUSEO DE MARRAKECH: localizado no Palácio M’Nebhi do século XIX, possui uma grande coleção de obras de arte e objetos de cultura marroquina. Belo lugar arquitetonicamente. Possui várias exposições temporárias de Marrocos e arte contemporânea internacional.

Museo de Marrakech

AIT BEN HADDOU OUARZAZATE: é um grupo de edifícios de terra cercados por altos muros, é um habitat tradicional pré-sahariano. As casas se aglomeram dentro das paredes defensivas, que são reforçadas por torres de canto. Ait-Ben-Haddou, na província de Ouarzazate, é um exemplo impressionante da arquitetura do sul do Marrocos.Localizado no sopé das encostas do sul do Alto Atlas na província de Ouarzazate, o site de Ait-Ben-Haddou é o ksar mais famoso do Vale do Ounila. O Ksar de Aït-Ben-Haddou é um exemplo impressionante da arquitetura marroquina do sul. O ksar é um agrupamento principalmente coletivo de moradias. Dentro das paredes defensivas que são reforçadas por torres de ângulo e perfuradas com um portão de defletor, as casas se aglomeram – algumas modestas, outras parecidas com pequenos castelos urbanos com suas torres de alto ângulo e secções superiores decoradas com motivos em tijolos de barro -, mas também há edifícios e áreas comunitárias. É um conjunto extraordinário de edifícios que oferecem um panorama completo das técnicas de construção do barranco pré-sahariano. As construções mais antigas não parecem ser anteriores ao século XVII, embora sua estrutura e técnica tenham sido propagadas desde um período muito antigo nos vales do sul de Marrocos.

CASCATAS DE OUZOUD: O local é a maior atração turística da região e as cascatas são as mais altas e frequentemente são referidas como as mais espetaculares de Marrocos. Ao contrário do que é usual, as cascatas, constituídas por uma série de quedas de água, são mais largas em cima do que em baixo. O vale abaixo das cascatas, onde existe uma espécie de piscina natural, é luxuriante e o seu encanto é amplificado pelo facto de estar escondido, só sendo visível no fim do caminho rodeado de oliveiras que lhe dá acesso. São as oliveiras que dão o nome às cascatas, pois “ouzoud” significa “azeitona” em língua berbere.

Cascatas de Ouzoud